[Meu Facebook] [Meu Last.FM] [Meu Twitter]


 

 

Kaio

 

Veja meu perfil completo

 

 

 

 

28 fevereiro 2006

Derrubando Ídolos

Lembram-se dos 10 pensadores que eu citei no post de 24/02/06 como os mais influentes nas minhas idéias?
Pois bem, acho que já está na hora de criticá-los. Gênios não são irrefutáveis, ao contrário do que pensam os marxistas.

- Nietzsche: o bigodudo é um dos filósofos com quem eu mais me identifiquei até hoje. Contudo, como disse certa vez uma amiga minha, “às vezes, ele age como uma criança birrenta, que bate o pé no chão e briga com tudo e todos”. Realmente, Nietzsche é muito amargo em alguns escritos, parece que não há um pingo de esperança e credulidade em sua alma, mesmo que algumas vezes tudo pareça uma rebeldia dele contra a humanidade.
- Schopenhauer: escreve de um jeito bem claro e ácido, mas acaba sendo muito pessimista e perturbador em certos momentos. Por exemplo, o que eu estou fazendo lendo uma obra dele quando ele diz que “ler é o ato de deixar alguém pensar por você”? Soa até irônico, se não contraditório.
- Max Weber: admito que acabei interpretando de forma simplista seu livro “A Ética Protestante”. Afinal, o autor não apontou como enriquecer uma nação, mas apenas constatou, ou seja, analisou o desenvolvimento do capitalismo e o relacionou com as doutrinas religiosas de certas nações. Eu acabei levando ao pé da letra e usei o catolicismo como um dos motivos para o Brasil não ser tão rico quanto deveria. Sobre Weber, acho que ele fez notas de rodapé muito longas e cansativas. Nem parece um ensaio, mas sim uma tese de doutorado.
- George Orwell: obcecado por guerras, ficou paranóico por comentar sobre assuntos bélicos e totalitarismo. Aliás, foi ele quem criou o termo Cold War (Guerra Fria).
- Aldous Huxley: o Admirável Mundo Novo criado por ele acabou se concretizando em vários aspectos, contudo, Huxley ignorou a questão das nações e do nacionalismo, que impediram a completa homogeneização do mundo que ele 'previa'.
- Dostoievski: seu detalhismo excessivo pode irritar, apesar de ser fundamental para criar a atmosfera de várias de suas obras. Outra acusação que muitos fazem a ele, a de chauvinismo, não é nem um pouco errada. Em suas obras, parece que a Rússia torna-se o centro do mundo, o único local da Terra, e os outros países são apenas ‘o resto’.
- Freud: foi muito arrogante quando escreveu “A História da Psicanálise”. Um leitor desavisado pode pensar que ele era o criador inquestionável da psicanálise, e Jung e Breuer são apenas colegas de trabalho, que mais atrapalharam do que ajudaram. Não foi à toa que essa visão de Freud dos acontecimentos da época causou polêmica.
- Thoreau: depois que eu conheci esse cara, passei a reconsiderar a idéia de ser anti-social. Ele era quase um autista, defendia tão arduamente as idéias do individualismo e do anarco-capitalismo que foi morar no campo, sonegando impostos e isolando-se da humanidade. Tudo bem que foi uma demonstração prática do pensamento dele (mesmo que os ideais do libertários ainda não tenham sido concretizados até hoje), mas é egoísmo demais até para mim!
- John Locke: foi idealista em excesso em certos trechos de “Segundo Tratado Sobre O Governo”, ao propor que houvesse justiça e lealdade até nas guerras. Isso pode ser bonito no papel, Locke, mas não vejo nenhuma praticidade disso na vida real! Ele mesmo diz que o homem age com o instinto em um conflito!
- Maquiavel: até hoje um questionamento atormenta a humanidade – seria ele um absolutista e defensor do status quo, ou um republicano? De qualquer maneira, Maquiavel não tem escrúpulos, ao afirmar que para manter-se no poder, vale tudo, desde usar a mulher até se passar por religioso. Realista, porém chocante.

Bem, tenho certeza que muitos de meus argumentos foram inocentes, mas é de esperar. Não é do dia para a noite que alguém tenta questionar seus filósofos favoritos.

27 fevereiro 2006

Monstrinhos que atravessam gerações

Não tenho nenhuma vergonha de admitir que gosto de Pokémon. Marcou a minha infância e também a minha pré-adolescência, e até hoje eu me lembro com um sorriso nos lábios daqueles tempos.
Como eu sempre faço em "textos nostálgicos", vamos a uma retrospectiva.
Setembro de 1999. Eu estava assistindo Cartoon Network, e começou a passar um desenho japonês estranho, chamado Pokémon. A propaganda era bacana. Dias depois, eu perguntei para meu vizinho do que se tratava. Ele me mostrou a Pokémon Club, revista oficial (!) do anime. Comprei a revista na banca no dia seguinte, de tão empolgado que estava com tudo aquilo. Na última semana do mês, mostrei a novidade pros meus colegas de escola. Só haviam dois que tinham conhecimento - um deles foi o 1º da escola a ter um Game Boy, e jogava a versão Azul. O outro era um dos meus melhores amigos, e sabia tudo de cultura pop.
Semanas depois, o que parecia ser só um desenho legalzinho virou uma febre de proporções colossais. Os pokémons estavam por toda parte! Eu assistia todo dia ao desenho, comprava qualquer revista relacionada e, no Natal, pedi um Game Boy Color, com um cartucho Back-up, e usei-o pra gravar Pokémon Azul e Amarelo.
No primeiro semestre de 2000, a pokémania chegou ao auge. Torneios de cards, batalhas pelo cabo link entre jogadores de todas as idades, muitas bugigangas, dois filmes e a 2ª temporada do desenho na Record, que ameaçou a audiência da Globo na época. Eliana deve agradecer ao Pikachu pelo sucesso de seu programa infantil na emissora do Bispo.
Eu nunca fui dos melhores jogadores do meu colégio, até porque não tinha Game Shark, portanto, não pudia usar aquelas manhas de deixar o pokémon no level 255, ultrapassando o lv 100, que era o máximo que o jogo permitia. Meu monstrinho preferido naquela época era o Weepinbell, um obscuro bichano do tipo planta/venenoso, mas que eu achava 'fofinho'. Mas o meu tipo preferido eram os psíquicos.
No ano seguinte, eu ganhei o Pokémon Stadium para N64, e pude usá-lo para jogar Pokémon Silver e liberar vários extras, como o Mystery Gift. Mas a febre já tinha diminuído. Ainda assim, fui na primeira sessão que houve em Goiânia do terceiro filme. E não me arrependi - apesar de ultra-dramático, ele é um dos melhores da 'videografia' da série.
Os anos foram se passando, e eu continuava me interessando pelos pocket monsters. Tanto que, no Natal de 2003 - aliás, foi nesse ano que eu comecei a ter música e política como minhas maiores paixões, em detrimento dos videogames - comprei o Pokémon Sapphire, para o meu GBA. Nessa versão, o número de bichinhos chega a 386 - lembrando que, no início, eram só 151!
Até dia desses eu estava jogando esse game, relembrando "the Gold Times"... e ainda assisto o desenho no Cartoon Network, que atualmente está transmitindo a oitava temporada. Mas acho que sou a única pessoa do meu colégio que ainda gosta de Pokémon. Dia desses, resolvi cantar no meio da aula as músicas-tema das cinco primeiras temporadas, e o pessoal ficou perplexo. =D

Mas alguns de vocês ainda devem estar se perguntando: "por que diabos esse mala do Kaio está falando de Pokémon?"
Hoje, navegando pelo UOL, achei a seguinte notícia. Isso mesmo! Hoje, 27 de fevereiro, faz 10 anos que os dois primeiros games foram lançados no Japão. E há jeito melhor de comemorar essa data que não seja dedicando um post?
E lembrem-se: TEMOS QUE PEGAR TODOS!

26 fevereiro 2006

Religião + capitalismo = progresso?

Max Weber é o cara. Conseguiu acabar com a dicotomia que predominava na sociologia, dividida entre o determinismo positivista de Durkheim e a panfletagem e os jargões batidos de Marx. Só que ele foi mais do que uma terceira via. Weber conseguiu ver a cultura ligada ao desenvolvimento do capitalismo, acabando com a visão puramente economicista desse sistema.
Em sua obra mais conhecida, "A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo", ele faz uma ótima análise, e constatou o papel fundamental que as seitas protestantes tiveram na riqueza de várias nações. Por exemplo, os puritanos dos EUA criaram um código moral bem sistemático - ao contrário do catolicismo, que pregava "boas ações para 'anular' pecados", para os calvinistas, toda a vida do cristão deveria ser regrada, e o trabalho era algo positivo. Portanto, uma maneira de lutar pelo paraíso pós-morte era negando o ócio na vida terrena, e acumulando capital.
Lutero não aprovava tanto essa idéia, mas João Calvino sim, e sua crença na conciliação entre fé e progresso material foi determinante para o sucesso dos países de maioria protestante, como os Estados Unidos, a Alemanha e o Reino Unido. Nações majoritariamente católicas, como Itália, Portugal e Espanha, não tiveram tanto sucesso econômico, e hoje têm um papel de menor destaque na Europa, além de terem passado por vários governos ditatoriais e instabilidade política no último século.
Ou seja, olhando por essa tese de Weber, podemos relacionar o catolicismo como um dos motivos do Brasil não ter tanta ambição em ser uma grande nação capitalista. Ainda somos um povo que valoriza o 'ócio negativo', pois nem uma produção intelectual é feita nele - queremos mesmo é folga, regada a futebol, diversão, libertinagem e álcool. E essa visão negativa do trabalho é prejudicial a qualquer tipo de desenvolvimento. Os brasileiros preferem trabalhar menos do que ganhar mais. É como se nós tivéssemos orgulho de sermos inferiores, ainda mais pela força que têm os esquerdistas hipócritas entre os formadores de opinião.
Voltando ao livro, o autor escreve em uma linguagem bem acadêmica, mas até acessível se você conseguir absorver as idéias básicas de "A Ética Protestante". Ele consegue provar que há muita filosofia e racionalismo por trás das religiões cristãs. Algumas discutem até como você deve se comportar na sua vida cotidiana - para isso, Weber citou um artigo de Benjamin Franklin, falando sobre como ser virtuoso até na hora de economizar.
Max Weber era um livre pensador, acima de tudo. Admirava o Partido Social Democrata, mas preferia o reformismo em vez da revolução; defendia o capitalismo que estava se desenvolvendo na Alemanha, mas queria mais liberdade e democracia. E soube analisar algo que Marx não viu - a burocracia estatal, que constituía o aparelho que fazia o Estado funcionar. Ler suas obras é fundamental para conhecer o sistema político-econômico que, há três séculos, é hegemônico, justamente por ser tão amplo e mutável.

24 fevereiro 2006

Política - Kaio Felipe vs. Os Vermelhos

Nota introdutória: eu fiz o possível para tornar o texto o mais curto possível. Só que acho que, ainda assim, não vai ficar pequeno. Mas, de qualquer maneira, here we go.

No meu colégio, a cada 6 ou 7 semanas, nas quartas à noite, ocorre o Multitemas, um debate sobre algum assunto atual relacionado a ciências humanas. O da última 4ª foi sobre A Esquerda Na América Latina. Já sentiram que vem briga por aí, não?
E foi uma luta numericamente desigual. Poxa, era eu contra o mundo. Dos sessenta alunos, pelo menos uns 80% eram socialistas, e 3 dos 4 professores que organizaram o debate, idem. Felizmente, o outro "membro do corpo docente" era meio cético - aliás, eu gostei muito das opiniões dele. Soube falar só na hora certa, sempre com ótimos argumentos.
Aliás, esquerdismo, meus caros, é uma doença, que impede qualquer tipo de respeito à opinião alheia, o desprezo à liberdade de expressão, são intransigentes por essência. Digo isso porque já fui um, sei muito bem como é.
O debate foi rolando. E, como eu esperava, não deixavam eu falar. Os 'red teachers' não paravam de falar, e depois deram a voz a alunos que comentaram coisas absurdas do tipo "o socialismo só será possível quando não houver mais direita e esquerda" ou "professor, o comunismo é possível no Brasil nos dias de hoje?". Com 1 hora de debate, finalmente iriam me deixar falar, mas dei a minha vez para um colega meu que queria comentar algumas contradições da lista que eles passaram para os alunos sobre o tema. Afinal, eu não posso defender a liberdade de expressão se não a pratico.
Meia hora depois, após ouvir dos professores que "Hugo Chávez é fascista", "a esquerda defende os pobres e os movimentos sociais" e "PMDB é direita", finalmente eu pude dar a minha opinião.
Comecei dizendo muito obrigado aos professores por terem fornecido uma lista que, na verdade, era um panfleto comunista, completamente parcial. Depois, fiz minha teoria sobre o que seria direita e esquerda para mim. Falei que não passavam de duas maneiras de gerenciar a economia de um país - ou com um Estado mínimo e que respeitasse o livre mercado (direita), ou com um modelo de forte intervenção estatal, assistencialismo e planificação econômica, sustentado por uma altíssima carga tributária. Nisso, eu aproveitei pra dizer que o problema do Brasil não eram salários baixos, mas sim impostos altos.
Depois, parti pro massacre a Marx. Disse que enquanto cientista político e economista eu o respeitava, mas disse que Max Weber era tão importante quanto ele nessa área; contudo, como panfletário e ideólogo ele era um idiota, que influenciou gerações e gerações a defenderem uma utopia, uma idéia impraticável, radical e anti-democrática. Cheguei a dizer: "Marx só pode ter sido irônico quando escreveu o Manifesto Comunista, e propunha 'Como NÃO governar um país'. Pô, ele devia estar bêbado quando escreveu aquela bosta de livro!'. O professor me perguntou se o meu blog (!) não era panfletário, e eu disse "Porra, o blog é meu, eu posto o que eu quiser, porque ninguém lê mesmo, pois é tudo uma bosta, e eu também sou um bosta!".
Nisso os marxistas se indignaram, ainda mais com a auto-crítica que eu fiz. Um dos professores só faltou espumar de tão tenso que estava. O outro estava doido pra deixar outra pessoa falar. E então, uma menina do terceiro ano vem falar pra mim: "Você pensa que é quem pra falar mal de um gênio como Marx? Você não tem argumentos pra isso, e pra isso fica falando numa linguagem complicada, pra ninguém te entender".
Bem, eu nem apelei quando ela disse isso. Primeiro, porque provavelmente ela não entendeu nada que eu disse, e por isso me acusou de ter falado 'palavras difíceis'. Depois, porque era uma típica opinião de uma pessoa que não entende porra nenhuma de política e precisa ficar se apoiando em um barbudo cuja ideologia já é anacrônica para ter alguma opinião válida. Mas tudo bem, respeito a opinião dela, mesmo sem reciprocidade por parte dela. Pra piorar, um dos professores esquerdistas, que era uma pessoa que eu admirava muito, por ter um grande conhecimento sobre música e literatura (eu já falei sobre ele, num post do dia 22/10/05), apoiou a garota. Ridículo.
Não me abalei, e respondi citando Nietzsche: "Destruir ídolos - esse é o meu dever". Ela não entendeu, e disse a resposta mais imbecil que se poderia esperar: "Mas Marx não é um ídolo"... (espaço para gargalhadas). Na réplica, eu decidi então expor meus argumentos de maneira mais calma, já que todos pediram pra que eu não falasse tão agressivamente e tão rápido. E o fiz - expliquei com outras palavras a minha teoria. "A propriedade privada é que determina a posição econômica. Um governo de esquerda se acha no direito de tomar, de confiscar a propriedade do indivíduo, para realizar uma reforma agrária radical. Já um de direita respeita essa propriedade, pois acredita na liberdade, que 'mercado livre, país livre', e que se for feita uma reforma agrária, que seja inteligente".
Pronto. Venci a discussão. Tanto que um dos 3 vermelhos até mudou de assunto e foi pras considerações finais, e voltou ao discurso "esquerda social, direita capital". Mas era Game Over pra ele. Quando acabou o Multitemas, o pessoal do 3º ano e do cursinho veio falar comigo, e eu fui explicando a minha visão, e até destruí aquela história de que todo movimento social é de esquerda. Mentira. ONGs, por exemplo, são uma coisa tipicamente de direita, pois partem de uma iniciativa privada - ou seja, é o indivíduo, e não o Estado, que decide fazer a sua parte, lutar por um mundo não tão horrível. Aproveitei pra ajudar uma garota a diferenciar anarco-socialismo de anarco-capitalismo, porque ela achava que anarquistas formavam um agrupamento homogêneo.
Bem, eu sou um livre pensador, mas tenho uma leve tendência pro liberalismo e para a direita porque são menos insensatos e refutáveis que o comunismo ou o nacionalismo. E porque combinam com o meu ponto de vista mais realista sobre o mundo.
E eu não tenho medo dos meus professores, se for pra brigar com eles eu brigo mesmo. Sinceridade, acima de tudo. Se eles vierem com velhos jargões marxistas tentando enganar a mim e aos outros alunos, saberão que têm oposição. Não é porque eu só tenho 15 anos que eu não posso discutir política no mesmo nível que eles. Eles não são melhores que eu, e vice-versa.

Agradecimentos aos dez pensadores/escritores que deram importantes contribuições ao, hã, Kaionismo (!). Eu não poderia desenvolver minhas próprias idéias se não tivesse lido as obras e analisado as teorias desses caras:
Max Weber, Nietzsche, Schopenhauer, Dostoievski, John Locke, Freud, Maquiavel, George Orwell, Thoreau, Aldous Huxley.

22 fevereiro 2006

A camiseta dos meus sonhos

O Sblargh me falou sobre um site cheio de camisetas hilárias. A minha preferida foi essa:


Fiz uma charge baseada nela, só que, entre as caveiras, estavam as cabeças de Trótski, Tio Sam, Hitler e Bola-de-Neve, que é o 'porquinho bom' da Revolução dos Bichos, além de ossadas formando o símbolo da foice e martelo. Publiquei ela no mural do meu colégio. O sorriso amarelo do meu professor de Filosofia ao vê-la fez meu dia valer a pena.

21 fevereiro 2006

Lendo Freud e Schopenhauer

1. Enquanto eu não concluir a leitura das três obras do Freud compiladas no fascículo da coleção Os Pensadores (Cinco Lições Sobre Psicanálise - História do Movimento Psicanalítico - Esboço sobre Psicanálise), não pretendo atualizar o blog. Estou gostando muito das teorias e idéias do Freud, como o complexo de Édipo e a libido desenvolvida já na infância. Pelo menos nos que eu estou lendo, a linguagem é acessível e um leigo em psicanálise como eu pôde compreender - e se interessar também. Pretendo ler depois a obra-prima dele, A Interpretação dos Sonhos.
2. Eu terminei de ler A Arte de Escrever (antologia de textos a partir do livro Parerga e Paralipomena), de Schopenhauer. Não vou fazer um artigo porque o escritor me esmagou. Isso mesmo. Agora eu sei porque dizem que ele faz críticas contundentes e realistas (eu não digo pessimistas porque quem inventou essa história de Schopenhauer ser negativo e melancólico são os que não entenderam seus escritos). Aliás, ele escreve extremamente bem, e muita coisa que ele diz ainda soa bem atual, como, por exemplo: dizer que os professores só trabalham por dinheiro, não procuram o conhecimento, mas sim aparentar tê-lo; que os alunos se preocupam apenas com a informação e o superficial (o que, hoje, se traduz em uma coisa que chamamos de vestibular); que os eruditos são específicos demais, não têm um conhecimento amplo e floreiam demais sua escrita para parecerem ininteligíveis e geniais; e quanto à literatura de consumo, formada por obras descartáveis, que após grande alvoroço, são esquecidas com o tempo (o Código da Vinci ainda vai passar por isso, aguardem...); e por aí vai.
Nem vou me estender muito porque ele, metaforicamente, me esbofeteou. Mas foi uma pancada merecida. É a mesma coisa de ler Nietzsche: ele destrói tudo que você acredita, de ídolos a 'verdades absolutas', mas você se sente renovado após a leitura. Dá vontade de reconstruir tudo, mesmo que numa missão solitária. Contudo, não chega a ser um niilismo, mas sim um despertar, a tal da transvalorização. Uma revolução individual.

18 fevereiro 2006

Incesto, parricídio e atemporalidade

Édipo Rei talvez tenha sido a maior tragédia encenada na Grécia Antiga. A influência da obra-prima de Sófocles sobre o teatro moderno é indiscutível, e até algumas coisas foram aproveitadas pelas novelas e filmes pipoca (como a 'desgraça sem fim', com a diferença que nestes o final é feliz e ilusório).
O incesto e o parricídio eram considerados os dois maiores crimes na Antiguidade Clássica. Por que não fazer uma peça sobre isso, então?
Aliás, Nietzsche e Kafka já comentaram sobre o incesto em suas obras, e Dostoievksi, sobre o parricídio.
O complexo de Édipo é intenso, e foi muito estudado pela psicanálise de Freud, com a questão da afinidade entre mãe e filho e a rivalidade entre este e o pai. Some a isso a forte crença de Sófocles no destino, ao ponto de determinar um crime décadas antes dele ocorrer.
Notei várias frases dúbias na obra. A maioria delas faz referências à decadência política grega. Aliás, Édipo é uma metáfora para os políticos - quando ameaçados e acusados de algo, tornam-se autoritários, e eliminam sus adversários, acusando-os de conspiração pelo poder. Contudo, acabam sendo levados à queda pelas suas contradições e falhas.
A cegueira do protagonista representa a intenção dele de tentar ignorar a desgraça pela qual passava, e nunca mais encarar a realidade cruel. Por ter se dedicado muito à razão (Édipo resolvia enigmas), esqueceu-se da potência e justiça divina, e pagou por isso. Sófocles, argumentando isso, deixa claro seu interesse pelo metafísico.
Terésias não é um sábio à toa, pois desafia o mais forte e poderoso - sua subversão é decisiva para os rumos da história. Jocasta, no seu ceticismo, tenta escapar do inevitável, mas fracassa nisso, e comete suicídio. O coro seria a consciência de Édipo, sempre intervindo para representar o psíquico dele.
Enfim, poucas obras são tão mágicas quanto esta. Mesmo tendo sido composta há 2500 anos, ela continua extremamente atual, tocando em questões que sempre estão em pauta. Por isso, é fundamental que as novas gerações conheçam ela, e não fiquem sabendo apenas o superficial sobre Édipo Rei, ou seja, "o filho abandonado pelos pais que, por força do destino, mata seu pai, e casa-se e tem filhos com sua mãe, levando a um final trágico". Isso é o que todo mundo sabe, mas quem leu sabe que há muito mais do que isso embutido nessa tragédia.

17 fevereiro 2006

A importância de Locke

John Locke foi um dos maiores pensadores da Idade Moderna. Ele é um dos responsáveis pelo surgimento do empirismo, doutrina filosófica que valorizava a experiência como maneira de demonstrar as idéias. Atuou intensamente na política inglesa, e apoiou a Revolução Gloriosa.
Semana passada eu terminei de ler Segundo Tratado Sobre o Governo, que é uma das principais obras dele. Podemos ver o livro como um projeto da sociedade ideal. Enquanto o lia, fiz vários esquemas e anotei várias passagens em uma matéria do meu caderno escolar. Vou separar a seguir algumas coisas.

Segundo Locke:
- Os homens são livres, iguais e independentes por natureza, mas podem entrar em acordo com outras pessoas para formar uma comunidade, para viver com conforto, segurança, paz e cooperação. Na comunidade, a maioria decide por todos, através do consentimento, que nada mais é do que um pacto.
- Na História, se registraram muitos governos exercidos por um só indivíduo. A monarquia é um forma bem simples de exercer o poder, e o uso dela é justificado pela fato do ser humano não saber dos inconvenientes de um poder absoluto e hereditário.
- Não é porque você nasceu sob um governo que fica naturalmente a ele sujeito.
- John Locke usa muito bem as comparações do funcionamento de uma família (na relação pai e filho, na qual este, quando atinge a maioridade, torna-se livre como o pai) com a estrutura de um governo.
- Nada pode sujeitar um homem a qualquer poder terreno senão sua própria vontade.
- Locke suscita discussões que, no mundo autal,tratam sobre mercado comum, união monetária, união alfandegária, etc.
- Um estrangeiro com negócios não é necessariamente um súdito dessa comunidade.
- O autor antecipa-se a Montesquieu, e propõe a necessidade da separação entre os poderes Legislativo, Executivo e Judiciário.
- "O poder executivo e o federativo são distintos, mas devem ser exercidos pela mesma pessoa, porque é impraticável colocar-se a força do Estado em mãos distintas."
- "Legislar tem o objetivo de preservação e, portanto, não poderá nunca destruir, escravizar ou propositalmente empobrecer os cidadãos." Bela lição.
- "O legislativo ou supremo não tem o direito de governar por meio de decretos extemporâneos e arbitrários, mas tem a obrigação de fazer justiça e decidir sobre os direitos dos cidadãos mediante leis promulgadas, fixadase aplicadas por juízes autorizados e conhecidos" Coisa que não acontece na Terra Brasilis...
- Mas a melhor passagem da obra é a em que Locke diz que o maior e principal objetivo dos homens em comunidades, aceitando um governo comum, é a preservação da propriedade privada. Portanto, quem detém o poder não pode tirar de qualquer homem sua propriedade sem o seu consentimento, pois supõe-se necessária a exigência que o povo tenha propriedades. Ou seja, a reforma agrária radical defendida pela esquerda radical é inviável.
- Locke, em toda a obra, defende que um homem não pode ter poder arbitrário sobre o outro. Contudo, às vezes, ele exagera no idealismo quanto à guerra, aonde ele prega pela ética e a justiça. Utopia esta derrubada por George Orwell em "1984", que resumiu tudo o que pensava a respeito de "belical stuff" em uma frase: "Guerra é paz."
- "Todo homem é juiz para si". O cara era individualista, e eu admiro isso.
- Locke alerta para os agitadores, segundo ele, inimigos da democracia. Engulam essa, Carlos Lacerda e Hugo Chávez.
- O estado de natureza é a guerra, e o instinto se sobrepõe à razão nele.
- Finalmente, ele diz no último capítulo ("Da dissolução do governo") que o povo tem o direito de se rebelar contra um governo corrupto e insatisfatório, que abusa do poder repetida e longamente.

15 fevereiro 2006

Soy loco por ti, América?!

A América Latina é o quintal do Primeiro Mundo. Se analisarmos sua história, perceberemos isso. Numa colonização cheia de erros, como aplicar um mercantilismo imediatista e sem planos a longo prazo, que prejudicaram também as próprias metrópoles, Portugal e Espanha, que hoje são quase que uma periferia da UE. Já se percebia que as coisas não dariam muito certo por aqui.
Some a isso os jesuítas, que sempre condenaram o negócio e o trabalho, que seriam determinantes para um desenvolvimento do capitalismo. Como se não fosse o bastante, após a independência das colônias, no século XIX, se seguiram várias ditaduras, principalmente as de militares, sendo que algumas ocorreram até bem pouco tempo atrás (a de Pinochet acabou em 1990).
O mundo entrou na globalização nos últimos 20 anos, com a hegemonia do capitalismo e a doutrina neoliberal (que de liberalismo não tem praticamente nada, já que várias práticas keynesianas, como os oligopólios, foram mantidas). Contudo, parece que o Muro de Berlim não caiu por essas terras. Nos últimos seis, sete anos, se observou um notável crescimento dos partidos de esquerda.
No Chile, os socialistas buscaram um discurso moderado e reformista, e foram reeleitos recentemente. Aliás, talvez seja o governo 'canhoto' que mais vem funcionando no continente, regido a altas taxas de crescimento, baixos juros e, por incrível que pareça, a aprovação dos EUA. Na Argentina, Néstor Kirchner conseguiu recuperar a economia com medidas populistas bem ao estilo dos peronistas, e, por enquanto, vem obtendo êxito.
Contudo, nos outros países, não é bem isso que se observa nas gestões esquerdistas. Cuba está há 47 anos sob a ditadura comunista de Fidel Castro, em que os avanços na educação, na saúde e nos esportes são ofuscados pela falta de liberdade e o fracasso na economia e na alimentação. Na Venezuela, Hugo Chávez vem fazendo uma administração bem turbulenta, cheia de mandos e desmandos e provocações aos Estados Unidos. Percebe-se que ele é um protótipo de ditador nos seus discursos nacionalistas, demagógicos e exaltados. No Brasil, em 2002, após três tentativas malogradas, o PT, finalmente, conseguiu ganhar a eleição presidencial, elegendo o ex-líder síndical Lula. O governo conseguiu estabilizar a economia, mas a custo de muita ortodoxia, juros elevados, alta carga tributária e crescimento pífio. Na área social, predomina o assistencialismo; a política diplomática é repleta de erros; ocorreu um cisma no partido, gerando a dissidência radical (e intransigente, diga-se de passagem); isso sem falar na crise política, com governo e aliados afundados em denúncias (e provas) de corrupção, em escalas bem maiores do que as registradas na gestão de Fernando Collor.
Mas parece que a irregularidade da administração petista não foi suficiente para impedir um surto esquerdista na América Latina. Além da 'esquerda festiva' e cheia de discursos anacrônicos que freqüentam o Fórum Social Mundial, também tivemos a eleição de vários políticos que se diziam "lulistas". Na Bolívia, Evo Morales foi o primeiro índio que chegou à presidência do país, e seu despreparo é tamanho que seu programa de governo se resume à promessa de estatizar a produção de gás natural. O uruguaio Tabaré Vásquez representou a centro-esquerda contra os blancos e os colorados, e venceu. E no México e no Peru, os candidatos com discurso radical e anti-EUA estão entre os favoritos nas pesquisas.
Talvez os latino-americanos não querem ainda embarcar na pós-modernidade e na globalização, e é sinal dessa obsolência a vitória de políticos populistas e nacionalistas/socialistas. O discurso "contra Bush, o imperialismo, as corporações, o neoliberalismo e as elites reacionárias" parece ter encontrado eleitorado. O atraso permanente da região é evidente, ela sempre está um passo atrás do resto do mundo. O socialismo morreu, mas a hipocrisia e a farsa dos marxistas (e adjacências), ainda não.

14 fevereiro 2006

As flores de plástico não morrem

Nota do blogueiro: mil desculpas. Esqueci de citar o RPM na matéria sobre bandas de Rock brasileiras. Foi mal. Gosto muito do som deles, apesar do Paulo Ricardo ser um canastrão e da banda ter sido superexposta na época, eles tinham seus méritos. Sabiam fazer pop songs geniais e cheias de sintetizadores e técnicas trazidas do exterior (inclusive gelo seco nos shows).

Agora sim, o post em si.
Aproveitando que eu tinha falado de Titãs em um dos últimos posts, decidi analisar a discografia dos caras. Não falarei nada sobre o último álbum, porque ainda não o ouvi (indignado depois da horrível Vossa Excelência, que nem chega perto das letras de tema socio-político que eles faziam), e nem pretendo tão cedo.
Vamos lá, afinal a vida até parece uma festa!

- TITÃS (1984): o debut. É bem irregular, e várias músicas que se tornariam sucesso anos mais tarde em versões ao vivo, como "Marvin" e "Querem meu sangue", estão bem fraquinhas. A banda ainda não tinha tomado uma direção musical, ora debandando para o reggae, ora para o estilo da Jovem Guarda. Destaque para "Babi Índio", "Toda Cor" e a brega "Sonífera Ilha".
- TELEVISÃO (1985): os Titãs dão um salto qualitativo em relação ao 1º álbum. Apesar da péssima produção de Lulu Santos, Televisão é recheado de ótimas músicas e letras bem esquisitas. Recomendo a faixa-título, "Dona Nenê", "Autonomia", "Massacre" e "Não Vou Me Adaptar".
- CABEÇA DINOSSAURO (1986): a 1ª das obras-primas titânicas. União perfeita entre letras políticas e uma sonoridade punk, foi um dos discos brasileiros mais influentes dos anos 80. Eu poderia destacar todas as faixas - "Igreja", "Homem Primata", "Estado Violência", "Polícia", "Bichos Escrotos", "Família", "Cabeça Dinossauro", "Tô Cansado", "AA UU"...
- JESUS NÃO TEM DENTES NO PAÍS DOS BANGUELAS (1987): outro CD genial, um dos meus preferidos. O som é mais limpo que o do seu antecessor, fazendo o álbum ainda soar atual nos dias de hoje. A banda entra de cabeça na música eletrônica, resultando em clássicos como "Comida", "Corações e Mentes" e, principalmente, "Diversão". Mas os Titãs mandam ver no rock politizado de "Desordem", "Lugar Nenhum" e "Nome Aos Bois".
- GO BACK (1988): o primeiro álbum ao vivo dos caras. É até legal, por ter no repertório várias músicas da banda que não foram hits, como "Pavimentação" e "Marvin", sendo que esta aproveitou muito bem sua 2ª chance e transformou-se em um dos maiores sucessos do banda. O remix da música "Go Back" também merece elogios.
- Õ BLÉSQ BLOM (1989): o último da 'trinca sagrada dos Titãs'. A banda retorna mais experimental do que nunca (incluindo o uso de bateria eletrônica e ritmos regionais), sempre com ótimas melodias e versos geniais. As melhores são "Miséria", "Flores", "O Camelo e o Dromedário", "O Pulso", "Deus e o Diabo", "32 Dentes" e a música que me inspirou a dar esse nome para o blog: "Racio Símio"!
- TUDO AO MESMO TEMPO AGORA (1991): o conjunto toma uma decisão que eu admiro muito - fazer um disco sujo e anti-comercial. A reação na época foi de repulsa, mas quem o ouvir sem ligar para o esporro sonoro e para as letras escatológicas adorará. Recomendo "Saia de Mim", "Obrigado", "O Fácil é o Certo", "Eu Não Sei Fazer Música" e "Clitóris".
- TITANOMAQUIA (1993): o primeiro CD sem Arnaldo Antunes, que decidiu seguir em carreira solo. Contudo, o agora hepteto consegue segurar a onda, ao flertar com o grunge (inclua nisso a ótima produção de Jack Endino). É um dos menos conhecidos álbuns dos Titãs, mas é um dos mais bacanas. Destaque absoluto para "Hereditário", "Será Que É Isso Que Eu Necessito?", "Disneylândia", "Taxidermia", "Nem Sempre Se Pode Ser Deus" e "A Verdadeira Mary Poppins".
- TITÃS 84-94 (1994): a coletânea que qualquer banda do Rock nacional gostaria de ter. Um disco duplo recheado dos clássicos deles, perfeito para iniciantes. Praticamente todas as músicas boas da banda foram compiladas.
- DOMINGO (1995): é o fim de uma era. Domingo é o último bom álbum dos Titãs. Aliás, foi o primeiro CD que eu ganhei na minha vida, em maio de 96, e é por isso que eu nutro um sentimento de adoração por ele. Mas analisando como crítico, e não como fã, é fácil perceber que a banda conseguiu ser pop sem ser comercialóide, e fez canções fantásticas como a faixa-título, "Eu Não Aguento", "Eu Não Vou Dizer Nada", "Qualquer Negócio" e "Ridi Pagliaccio".
- ACÚSTICO MTV (1997): se esse fosse um álbum de despedida, eu gostaria muito mais dele. Mas como foi uma maneira que os Titãs encontraram de se vender para as massas, a avaliação cai. Mas as versões desplugadas de "Diversão", "Comida", "O Pulso" e "Pra Dizer Adeus" são passáveis, e a inédita "Os Cegos Do Castelo" é agradável.
- VOLUME DOIS (1998): me recuso a comentá-lo. É para os Titãs o mesmo que "Anna Júlia" para os Los Hermanos - uma porcaria que fez sucesso, justamente por ser uma porcaria.
- AS DEZ MAIS (1999): só não é uma completa desgraça porque o cover de "Aluga-se" ficou bacana.
- E-COLLECTION (2000): perfeito para fãs radicais atrás de sobras de estúdio, como "A Marcha do Demo" e "Saber Sangrar".
- A MELHOR BANDA DE TODOS OS TEMPOS DA ÚLTIMA SEMANA (2001): despretensioso. As canções "A Melhor Banda De Todos Os Tempos Da Última Semana", "Isso" e "Epitáfio" fizeram sucesso, mas as melhores são "Vamos Ao Trabalho" e "O Mundo É Bão, Sebastião".
- COMO ESTÃO VOCÊS? (2003): falta energia, os Titãs ficaram muito soft-pop, não têm a mesma animação de antes. As 3 mais são as que fazem boas críticas sociais, "Gina Superstar", "A Guerra É Aqui" e "KGB".

13 fevereiro 2006

Meia-idade na adolescência

Momento "exactly who am I supposed to be".

Cansei de receber scraps do tipo "15 anos? Menino prodígio...", ou "15 anos e já lendo livros políticos? Poxa...", ou mesmo "Se eu tivesse seu gosto musical já aos 15 anos, cara...".
Normalmente, a pessoa acharia isso um elogio. Mas eu não sinto isso. Soa para mim como uma facada nas costas, uma constatação da minha incapacidade.
Explico o porquê.
Com quinze anos, não há quase nada a se fazer. É o ponto médio da adolescência. Se você for brincalhão e inconseqüente, dizem que você não é mais criança. Mas você também não pode ser adulto - não posso dirigir, não posso discutir sobre política sem receber respostas do tipo "você ainda nem vota", não posso ter um 'bom' gosto musical (porque não vou encontrar ninguém da minha idade que o tenha. Os moleques preferem Charlie Brown, Linkin Park, Simple Plan...), e, principalmente, não poder ir em festas para maiores de 16 ou 18 anos, que são justamente as melhores; ou você acha que eu prefiro ir em shows "sem restrição", que são das bandas patéticas e descartáveis, como Babado Novo,só porque lá tem garotas e maior 'interação social'? No way. Os melhores eventos, como open bar tocando pós-punk ou shows de bandas indies só ocorrem em points para "adultos". E nem adianta desculpas do tipo "sou mais inteligente que a maioria do pessoal que está aí" ou "pô, eu leio Nietzsche, sou um homem póstumo, posso entrar? =D".
Às vezes, eu queria ser só um pouco mais velho. Sei lá, ter 17 ou 18 anos. Minha vida social seria bem mais agitada, poderia ir em um monte de lugares bacanas, e discutir com a 'vanguarda cult' sobre política, existencialismo, Rock alternativo, etc. Poderia, quem sabe, fazer novos amigos e amigas que fossem como eu.
Mas não. Eu só tenho quinze, e não há nada a fazer. E ainda existe gente que me pergunta por que eu sou tão isolado e recluso. Mas é claro, para pessoas em situação semelhante à minha, é a única coisa a se fazer. Não encontro ninguém no colégio que possa discutir comigo. Talvez uns três ou quatro colegas, mas ou eles estão no terceiro ano, ou são do tipo pop, cheios de contatos e pessoas para conversar. Eu também sou popular no colégio, mas isso não significa encontrar amizades verdadeiras, mas sim babacas que te acham legal, engraçado e estranho.
Eu queria ser estúpido. Contudo, parece que tudo conspirou contra mim. Aprendi a ler com três anos, sempre fui o nerd/CDF/culto na escola, nunca tive muitos amigos, nunca namorei, nunca segui modinhas passageiras (se eu gosto de algo, é pra valer. Por exemplo, curto Pokémon e CDZ até hoje), desde a 4ª série sou fascinado por ciências humanas (e, conseqüentemente, política, literatura, história...) e um dos meus maiores hobbies desde criança é ler. Não os livros do Dan Brown ou Harry Potter, mas literatura de verdade.
Na minha família, praticamente ninguém é culto. Minha mãe só lê livros espíritas, e eu tenho uma tia-avó petista e idealista, porém muito inteligente (desculpem-me pelo sarcasmo quanto à esquerda =D). Mas, tipo, acho que sou o primeiro que seguiu realmente por esse caminho, por ser um (pseudo, semi, proto) intelectual. Há 2 anos decidi que vou cursar Ciência Política na universidade, e provavelmente não vou mudar de idéia até chegar o vestibular. Uso o PC não para inutilidades ou para passar madrugadas vendo filmes pornô, e sim para debater sobre assuntos interessantes com outros blogueiros, em fóruns e também no orkut, e para baixar música de qualidade (jazz, clássica, Rock das antigas, alternativo, pós-punk, indie...).
Tenho milhares de defeitos, muito mais do que qualidades. Sou chato, irritante, pedante, patético, auto-indulgente, contraditório, tenho conflito de personalidade, eu falo sozinho constantemente (inclusive ando de um canto para o outro enquanto o faço), sou extremamente arrogante e egoísta, além de muito egocêntrico (só ligo para mim, nunca dou bola para o que os outros dizem, sejam críticas positivas ou negativas - o que deveria ser uma qualidade, mas é um defeito, pois denota intransigência). Brigo verbalmente demais com as pessoas (não entro na pancada porque sou fraco e magricela, e porque acho que uma discussão pode ser resolvida com palavras). Mas não tenho nenhuma doença, nem esquizofrenia, nem TOC, nem epilepsia - talvez só hiperatividade. Minha 'loucura' é produto da minha mente insana mesmo, já que, excetuando-se cafeína (porque eu amo cappucino em lata e Coca Cola), eu não uso drogas. Não preciso de psicólogo, eu mesmo resolvo meus problemas.
Ainda assim, apesar de tudo, embora ocorra "isso" que eu relatei, eu me sinto feliz. Feliz porque eu me sinto forte, potente perante o mundo. Não tenho medo dos desafios do mesmo. Já larguei alguns dos piores males - o esquerdismo, a religião, o conformismo, a alienação. Queria ser mais velho, mas tudo bem. Tudo tem a sua hora.
E eu vou ler Nietzsche, Dostoievski e livros bons em geral, ouvir minhas músicas esquisitas, permanecer o mesmo mala anti-social de sempre e me preparar para o futuro enquanto esse momento não chega.

Homens póstumos

Estou atualizando o blog cada vez menos. Não porque eu tenha me cansado dele (pelo contrário, eu adoro o Racio Símio, é como se fosse ao mesmo tempo um diário e material para minha auto-biografia), mas sim porque eu finalmente saí da ressaca literária pós-Irmãos Karamazov (vocês bem sabem que há três meses eu estou falando dela) e voltei a ter a "empolgação" para ler.
Finalmente, eu terminei o Para Além do Bem e do Mal, do Nietzsche. Enrolei muito para lê-lo, mas só nesse fim de semana eu li a metade que faltava para concluí-lo, e o mais importante: entendi e compreendi o que li. Afinal, uma coisa é ler Nietzsche, outra é entender (momento Kaio pretensioso ativado, hehe).
A obra é fascinante do início ao fim. A seguir, algumas considerações.
1. Com o livro, eu percebi que tenho múltiplas personalidades. Primeiro, a de homem póstumo e incompreendido, como o próprio Nietzsche. Segundo, como um "livre-pensador", um babaca de "idéias modernas" e a favor do "progresso". E, por fim, um aristocrata, pela arrogância e o egoísmo, e por olhar para baixo, como se me sentisse superior.
2. Ele é um dos poucos que sabe criticar o cristianismo sem soar maçante e pedante.
3. O realismo e a capacidade de argumentação dele são muito boas. Você pode até discordar do que ele diz, mas pelo menos não será intransigente ao ponto de ignorar a tese dele sobre algum assunto.
4. Seja nas citações ou nos artigos mais longos, o autor destrói tanto os arrogantes quanto os supostos virtuosos. Exemplo? "Aquele que não quer ver o que há de elevado em um homem, dirige seu olhar para aquilo que nele é baixo e superficial. Agindo assim, revela a si mesmo."
5. Muitas vezes, ele se passa por machista, indo contra os movimentos de emancipação da mulher. Mas acho que isso, nas entrelinhas, denota uma admiração dele pelas mulheres realmente femininas, indo ele contra a "masculinização" delas, como aparentarem intelectualidade para se equiparar aos homens. Como eu disse semanas atrás, eu discordo dele quanto a essa questão, mas entendo os motivos dele para isso.
6. Nietzsche propõe uma moral muito mais ampla do que a cristã. "Ela não se resume a ética e bons costumes, mas abrange todas as coisas humanas - sentimentos, pensamentos, atos - , em oposição ao puramente físico, extra-humano."
7. Ele torna todo o seu texto muito pessoal, ao contrário de muitos filósofos que se colocam como verdades absolutas - aliás, é a esses a quem Nietzsche desfere várias de suas críticas. Fica claro que ele não gosta de Platão, Kant, Descartes e vários dos iluministas (segundo ele, um movimento que se resumiu a botar a culpa em algo - no rei, em Deus...).

Hoje mesmo, eu já entrei em outra leitura, o Segundo Tratado Sobre o Governo, do John Locke. Já tinha lido a primeira metade, pretendo terminá-lo amanhã. Até peguei uma matéria do meu caderno escolar para fazer anotações sobre a obra. Quando concluir a leitura, farei comentários aqui no blog.

10 fevereiro 2006

Bebida é agua, comida é pasto

O Rock brasileiro é famigerado, isso é fato. Afinal, em um país em que as bandas roqueiras mais populares são o tosco surf rock do Charlie Brown Jr, o umbanda do Rappa e a pobreza lírica do CPM 22, não se pode esperar muita coisa.
Los Hermanos é legalzinho, mas acho que eles se preocupam demais em mostrarem nas letras como são melancólicos, tristes e cults. Isso sem falar na voz de bêbado do Camelo.
Skank é uma faca de dois gumes. Ao mesmo tempo que fizeram ótimas canções como Três Lados, Dois Rios, Jackie Tequila e Pacato Cidadão, também foram responsáveis por porcarias radiofônicas como Garota Nacional, Vou Deixar, É uma Partida de Futebol e o cover de Vamos Fugir.
A quantidade de bandas sofríveis é gigantesca, temos a revoltadinha da Pitty (que faz letras pretensiosas, mas nem sempre geniais, e até hoje só acertou em cheio com Admirável Chip Novo), o descartável Jota Quest, o emo insuportável do Fresno, o pseudo-indie Cachorro Grande, os jurássicos do Capital Inicial, entre outros.

"E quem presta (ou prestou) no Rock nacional na sua opinião, Kaio?"
Muitos conjuntos vida afora fizeram um trabalho muito bom, como o Violeta de Outono, o Secos e Molhados e o Nação Zumbi, mas as três que eu considero mais importantes foram:
-> Mutantes - os pais do BRock. Letras hilárias, como as de 2001, Balada do Louco, Panis Et Circenses, Senhor F e El Justiciero. Clássicos da música brasileira, como Top Top, Ando Meio Desligado, Baby e Vida de Cachorro. Misturas brilhantes de diversos estilos com o rock, desde o pagode em Bat Macumba até a guinada para o progressivo, resultando em clássicos como Ainda Vou Transar Com Você e O A e o Z. Um trio extremamente criativo - Sérgio, Arnaldo e Rita. Boas influências, passando por Tropicália, Beatles e Yes. Uma banda inigualável. Nem seus ex-integrantes conseguiram repetir a qualidade musical dos Mutantes em suas carreiras solo.
-> Titãs: De 1985 a 1995, uma das melhores, senão a melhor banda de Rock brasileira. Depois disso, uma lembrança pálida do passado. Vamos nos concentrar, então, na época em que eles eram os fodões... a crítica social de Televisão, Homem Primata, Igreja e Desordem; os experimentos com a música eletrônica bem-sucedidos em Diversão, Comida, Deus e o Diabo e Miséria; porradas sonoras como Bichos Escrotos, Lugar Nenhum, Clitóris e Hereditário; ironias em relação à fama como Qualquer Negócio, Eu Não Vou Dizer Nada, Será Que É Isso O Que Eu Necessito? e Eu Não Sei Fazer Música. Isso sem falar em hinos como Marvin, O Pulso, Flores e Polícia. Precisa dizer mais? A banda perdeu muito de sua criatividade com a saída de Arnaldo, mas a decadência de vez começou com o Acústico, em 97. Uma pena. Deveriam ter se separado antes dessa queda.
-> Legião Urbana: dispensa apresentações. Foram a banda que absorveu melhor o pós-punk que rolava no resto do mundo. Joy Division, Smiths e U2 são algumas das ótimas influências dos caras. Não tinham muita técnica, mas as letras e a criatividade melódica compensava isso. A cada disco, a Legião se reinventava. Os três melhores foram: o psicodélico V, com obras-primas como Metal Contra As Nuvens, A Montanha Mágica e O Teatro Dos Vampiros; o lírico Dois, que contava com "Índios", Tempo Perdido e Quase Sem Querer; e o equilibrado As Quatro Estações, recheado de sucessos como Há Tempos, Pais E Filhos e Monte Castelo. Os outros álbuns não ficam devendo em nada, e também continham músicas que marcaram a música brasileira nos últimos 20 anos: Será, Faroeste Caboclo, Ainda É Cedo, Perfeição, Dezesseis...

"E quanto ao underground? Alguma banda alternativa tem algo a oferecer?"
Bem, o Réu e Condenado fez um debut cheio de músicas sarcásticas. A Valv caprichou no primeiro disco. O Cansei de Ser Sexy parece não estar nem aí para nada, e prova isso em músicas simpáticas como Alala, Meeting Paris Hilton e Superafim. O The Ugly e o Valentina precisam lançar logo um LP, mas ao vivo eles já demonstraram que têm potencial. E por aí vai.
O Rock nacional não morreu. Mas as últimas esperanças de algo decente vêm justamente da cena alternativa. Se vocês esperam alguma coisa do mainstream, é melhor ouvirem a música Um Minuto Para O Fim do Mundo (CPM 22) e concluírem que este virou um lixo sem tamanho.

EDIT: - Ira: era uma banda sincera e muito boa, principalmente no álbum Psicoacústica. Mas parece que perderam o rumo nos últimos anos. O Nazi parece um Wolverine decadente.
- Kid Abelha: nunca gostei deles. Salvo raras exceções, como Fixação e Conspiração Internacional.
- Engenheiros: odeio. O Gessinger é um poser que se acha o maior intelectual. Mais até do que eu (e isso é muito, me superar em pseudo-intelectualismo é foda). As letras parecem inteligentes, mas não me agradam.
- Pato Fu: poxa, me esqueci deles. Gosto muito. Músicas como Made In Japan, Anormal, Eu (adoro essa), os covers de Ando Meio Desligado e Eu Sei provam a qualidade deles.

Weird at my school

Como o recreio já está acabando, vou resumir o post de hoje a uma frase do Nietzsche. Não gosto de citações, mas vou abrir uma exceção hoje:

"O cristianismo deu veneno para Eros beber. Este, na verdade, não morreu, mas ficou viciado."

Quando minha preguiça acabar, publico uma resenha do Clube da Luta. E, talvez, um texto político.

08 fevereiro 2006

I'm Amazed

O segundo ano correspondeu às minhas expectativas. Ou seja, é relativamente fácil. Parece que é um ano menos tenso que o normal, apesar de ter muito conteúdo. Eu poderia usar isso como pretexto para cair nas notas, mas vou fazer o contrário - me empenharei (nem que seja só um pouco) para ir bem, afinal, se eu fizer um bom 1º e um bom 2º, não vou ter tantas preocupações no Terceirão, e, conseqüentemente, ficarei menos desesperado com o vestibular. E isso é bom.

Ontem, o professor de Texto disse que ia chamar um aluno da sala para "dar a aula". O tema? Esquerda e populismo na América Latina. Ele acabou me escolhendo. Foi muito bom, ótima oportunidade para esculhachar a demagogia do Chavez, do Lula e de outros ditadores de quinta ou presidentes incompetentes. Sabem aquele meu dicionário de posições políticas? Por sorte eu o trouxe para a escola no dia, e usei ele para defender minha tese. Parece que o pessoal da minha sala gostou. Bem, pelo menos eles não me vaiaram e o professor me elogiou...

Hoje, a equipe de Humanas da escola vai passar o "Clube da Luta". Já assisti o filme um ano e meio atrás, mas quero vê-lo novamente. Afinal, foi um dos filmes que eu mais gostei até hoje, por diversos motivos, desde a trama genial as mensagens subliminares intencionais até a crítica social e, claro, a trilha sonora (incluindo "Where Is My Mind?", hino do Pixies). Hoje também começa a aula de Leitura de Clássicos. O primeiro livro a ser discutido? "O Príncipe", de Maquiavel. Outro momento nostálgico para mim, que me leva de volta ao final de 2003, quando eu estava começando a gostar de política... Bem, é melhor acabar com essa sessão retrô. Enquanto a aula não começa, eu vou aproveitar para ir no shopping comprar uns CDs virgens e a edição de bolso do "A Arte de Escrever", do Schopenhauer. Motivos?
1. Depois que meu professor de Filosofia disse que nunca leu Schopenhauer porque acha as obras dele muito pessimistas, eu fiquei com curiosidade.
2. Percebi que é impossível ler Nietzsche sem antes ter um pré-conhecimento de Schopenhauer.
3. Aumentar meu (pseudo) intelecto. Hahahaha...

05 fevereiro 2006

Palmas para mim

Trecho do clássico "It's very nice prá xuxu", dos Mutantes.

Motivo das palmas? Oras, fiquei uma semana sem usar o PC! E nem precisei entrar pros I.A. (Internautas Anônimos)!
Nesse tempo livre, podia fazer tarefa de casa, ler centenas de livros, viajar pelo mundo afora, entre outras coisas. Mas prefiri a arte do ócio, regado a TV - música - piadas infames - conversas filosóficas com colegas na escola.
Eu deveria postar alguma coisa agora, sobre, sei lá, música, filosofia, política, religião (aliás, o assunto que dá mais ibope aqui no blog. Inclusive um evangélico me mandou um e-mail falando que eu vou pro inferno por ter falado bem do livro O Anticristo, do Nietzsche... hahaha, estou morrendo de medo!), etc.
Pensando melhor, não. Daqui a pouco vai passar o filme Team America. Eu o assisti pela primeira vez em agosto do ano passado, e adorei o filme. Vou aproveitar e gravá-lo, como um registro para as próximas gerações. =D

Qualquer dia eu posto algo de útil aqui. Tempo e textos para isso, eu tenho. Ou não. Pensando melhor, acho que vou pedir emprego em alguma revista elitista. Quero ser pseudo-intelectual! Falar merda e ganhar 10 mil por palestra é meu objetivo de vida!